Arquivos



por Daniel Mello - Repórter da Agência Brasil 

* São Paulo – Em 2012, foram enviados para destinos inadequados 24 milhões de toneladas de lixo (37,5%), segundo levantamento da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), divulgado hoje (28). A pesquisa aponta ainda que, dos 64 milhões de toneladas de resíduos gerados ao longo do ano passado, 6,2 milhões não foram sequer coletados.

O percentual de coleta apresentou, entretanto, um aumento de 1,9% em comparação a 2011, totalizando 55 milhões de toneladas em 2012. “Percebemos, nesses dez anos de estudo, que o índice de coleta tem crescido paulatinamente, indicando que a universalização desses serviços é um caminho possível”, avaliou o diretor executivo da Abrelpe, Carlos Silva Filho.

O Nordeste é a região com maior percentual de resíduos levados para destinações inadequadas, como lixões. De acordo com o estudo, 65% do lixo gerado na região, um total de 25,8 mil toneladas por dia, não tiveram destinação final adequada. Apenas 77% dos resíduos produzidos no Nordeste são coletados, sendo que a região responde por 26% (51,6 mil toneladas diárias) do lixo gerado no país.

A melhor cobertura de coleta foi verificada no Sudeste (96,8%), a região que melhor destina os …




por Marli Moreira - Agência Brasil 

* São Paulo – Os empresários da indústria de transformação no país recuperam o ânimo com a possibilidade de ampliar as atividades no setor, segundo revela a pesquisa Sondagem da Indústria de Transformação, do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV). Depois de duas quedas seguidas, o Índice de Confiança da Indústria (ICI) aumentou 0,8% em maio sobre abril último, ao passar de 104,2 para 105 pontos, ficando acima da média histórica (104,2 pontos).

Na comparação com maio do ano passado, houve elevação de 1,4%. O comportamento que mais influenciou essa recuperação foi a percepção dos empresários quanto ao momento presente. O Índice da Situação Atual (ISA) teve alta de 2,1% ao alcançar 105,7 pontos.

Esse resultado reflete a avaliação do setor sobre o consumo interno. O nível de demanda cresceu 2,8% com 103,1 pontos, embora tenha sido quase estável a proporção dos que consideram como forte as chances de se obter mais compradores (de 13,5% para 13,3%). Em compensação, diminuiu o percentual daqueles que classificam como fraco o potencial do mercado (de 13,2% para 10,2%).

Já o Índice de Expectativas (IE) caiu 0,7% com 104,2 pontos, atingindo a menor marca desde …




O seu tempo anda escasso? Há muito para fazer e pouco tempo para tanto? Deixe de se preocupar desta maneira! Se você se preocupar com isso vai drenar sua energia e diminuir sua habilidade para responder a esse tipo de situação. Ao invés de pensar tanto, faça o que pode fazer com o tempo que tem.

Quando você direciona seus pensamentos para ações construtivas se torna capaz de cuidar de todos os desafios e de forma efetiva; aí, o tempo parece “crescer”. Experimente!

Brahma Kumaris




por Alana Gandra - Agencia Brasil 

* A inovação é uma peça-chave para o aumento da produtividade no país. A avaliação é do reitor do Instituto Tecnológico de Aeronáutica e professor do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Carlos Américo Pacheco. Segundo ele, se o Brasil souber construir uma trajetória de futuro que privilegie uma sociedade melhor, com bons empregos, vai ter que investir em inovação, ressaltou.

Américo Pacheco disse ainda que o setor privado brasileiro investe pouco em pesquisa e desenvolvimento (P&D) e em inovação. Isso ocorre, de acordo com ele, devido à ineficiência da política pública, que não consegue alavancar o gasto privado, explicou. Já os gastos públicos em P&D acompanham a média mundial, ressaltou. O reitor do ITA não acha que falte cultura em inovação por parte das empresas, “o problema são condições reais de mercado”, ressaltou. “É o mercado que puxa a inovação. E eu pergunto: será que nós temos sido eficazes em desenhar políticas que induzam o gasto privado?”.

O economista entende que a estrutura industrial e o elevado custo Brasil são alguns fatores que levam as empresas a gastar pouco em inovação tecnológica e que a “política pública também não ajuda porque




E se eu disser que

dentro de você mora um anjo que se reveste de luz
para fazer novos amigos?

E se eu disser que dentro de você existe uma paz infinita que o torna tão amigo e querido?
E se eu disser que dentro de você existe luz e que essa luz apaga a inveja, a discórdia e a guerra?
E se eu disser que
dentro de você existe
um cupido que espalha amor e que flecha meu coração?

E se eu disser que você
é iluminado pelas estrelas e seus olhos parecem reflexo dessa luz?
E se eu disser que você é divinamente concebido
e tem dentro de si tudo o que precisa para viver?
E se eu disser que dentro de você existe uma fera que sabe lutar e defender os seus?
E se eu disser que dentro de você habita uma chama que é capaz de incendiar uma cidade?

E se eu disser que dentro de você mora um inventor
capaz de criar mil maneiras de fazer a mesma coisa?
E se eu disser que dentro de você existe um construtor que é capaz
de criar novos caminhos?
E se eu disser que dentro de você …




por Carolina Gonçalves - Repórter da Agência Brasil 

* Brasília – Pela primeira vez, os 18 cientistas que integram o comitê do Programa Mundial de Pesquisa Climática, WCRP na sigla em inglês, estão reunidos no Brasil para avaliar as iniciativas globais para mitigação e adaptação às mudanças do clima. No encontro anual, os dirigentes da organização vão concluir, até a próxima sexta-feira (31), um balanço de desafios considerados prioritários, como melhorias nas observações do nível dos oceanos e medidas para avaliar e garantir a disponibilidade de água em algumas regiões.

“O Brasil está entre os líderes em várias iniciativas, como as voltadas para mitigação das alterações climáticas e, ao lado da França e dos Estados Unidos, do sistema de observação do nível do mar. Poucos se importam com o que está acontecendo com os oceanos no mundo, como no Brasil, que tem uma costa muito grande”, disse Antonio Busalacchi, que preside o grupo, explicando que a liderança brasileira nessas políticas motivou a escolha do país para sediar a 34ª reunião do grupo, que existe desde 1985.

“Quis que os integrantes do comitê fossem apresentados a esse cenário. A discussão vai girar em torno de tópicos sobre climatologias em escala regional”, explicou,




Você sabe, não existe inimigo pior do que o medo. E o método mais fácil de se livrar de todos os tipos de medos, mesmo o de suas próprias fraquezas, é manter seu coração limpo e honesto. Assim, você se sentirá satisfeito consigo mesmo. E aquela angústia que acompanha tanta gente ao seu redor se manterá bem longe de você.

Brahma Kumaris




por Mariana Branco - Repórter da Agência Brasil 

* Brasília – A ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão, Miriam Belchior, declarou hoje (28) que a inflação cederá nos próximos meses. Segundo a ministra, é prioridade da presidenta Dilma Rousseff garantir o crescimento do investimento público e privado, com controle da inflação. Para Miriam, “é possível ter as duas coisas” (crescimento e controle da inflação).

Ela disse acreditar que a meta do governo de crescimento de 3,5% do Produto Interno Bruto (PIB) para este ano pode ser cumprida. Miriam Belchior argumentou que a pressão inflacionária tem causas externas e, por isso, a alta nos preços deve dar uma trégua. “Se não fosse por um choque externo de alimentos, estaríamos no centro da meta”, disse.

A avaliação da ministra é que a inflação cederá. “De qualquer forma o governo está atento. O controle da inflação é preocupação absoluta da presidenta [Dilma Rousseff] e toda sua equipe de governo”. Miriam Belchior deu as declarações em audiência pública na Comissão Mista de Orçamento do Congresso para tratar da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para o período de 2014.

Segundo a ministra, a execução das duas etapas do Programa de Aceleração de Crescimento (PAC) e as …




por Elaine Patricia CruzRepórter da Agência Brasil 

* São Paulo – A expectativa de vida da população brasileira cresceu nos últimos anos, mas os idosos estão vivendo com menor qualidade de vida, pois convivem por mais tempo com doenças crônicas típicas de sua faixa etária. Isso é o que apontou uma pesquisa conduzida pelo médico geriatra Alessandro Gonçalves Campolina, que faz parte de um estudo, chamado Sabe (Saúde, Bem-Estar e Envelhecimento), que vem sendo desenvolvido na Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSP-USP).

Campolina é autor da pesquisa que buscou avaliar a ocorrência de um processo chamado de compressão da morbidade, ou seja, se o intervalo entre o aparecimento da doença e a morte estava diminuindo e se o aparecimento da doença estava sendo postergado para os últimos anos de vida. Para ele, a pesquisa demonstrou que, no caso específico de São Paulo (Campolina acredita que esses números se assemelham aos do restante do país, embora nenhum estudo semelhante tenha ocorrido em outros lugares do Brasil), está ocorrendo um fenômeno oposto: a expansão da morbidade o que, segundo ele, é um aspecto negativo, pois a população passa mais tempo doente.

Em 2011, segundo o Instituto …




Maconha faz mal?

30.maio.2013

Sou dos que pensam que não cabe a um especialista determinar como uma sociedade deve se comportar frente a este ou àquele tema. Nosso dever é dar informações científicas e permitir que, em posse delas, a própria sociedade decida sobre seus caminhos. Com a maconha, é isso que deve ocorrer. O especialista alerta que seu uso por jovens, comprovadamente, associa-se com posterior queda no rendimento escolar, experimentação de outras drogas, depressão e esquizofrenia. Ainda que jovens que usaram maconha mais do que 100 vezes na vida (ou seja, duas vezes por semana ao menos por um ano), ao chegarem aos 25 anos, terão menos diplomas universitários e estarão menos empregados que seus iguais não usuários.

Outro fato relevante é que maconha, na história natural de um dependente químico, é a segunda droga de experimentação, sendo a primeira o álcool; daí porque se diz que ambas são drogas de entrada para as
demais.
Igualmente, é de se destacar o fato de que quanto mais uma droga for oficial ou oficiosamente liberada, maior será seu consumo e os problemas decorrentes dele.
Perguntados sobre por que experimentaram maconha, os jovens respondem que por curiosidade e pressão do grupo.
Já com os não experimentadores a resposta é que não experimentaram porque é proibido e faz mal. Tais fatos estão muito bem documentados …





Feliz Dia Novo - Todos direitos reservados

Desenvolvido por CPC Informática